Dukan, Atkins, cetogênica, mediterrânea e low carb: o que são essas dietas?

Entenda as principais características e diferenças entre as dietas de baixo carboidrato mais populares.

Você sabe dizer a diferença entre as dietas de restrição de carboidrato? Veja a seguir um apanhado sobre origens e conceitos das variedades mais famosas.

Dieta Dukan

A dieta Dukan é uma estratégia alimentar desenvolvida pelo médico francês Pierre Dukan, em que há redução do consumo de carboidratos e foco em “comida de verdade”. É uma das dietas mais famosas por ter adeptas como Kate Middleton, Beyoncé e Fernanda Paes Leme.

Outra razão para a fama da dieta Dukan é a promessa agressiva de perda de peso: 1 quilo por semana segundo o médico francês. Mas essa estratégia tem uma desvantagem: a dieta é de difícil manutenção a longo prazo e exige um cuidadoso acompanhamento médico para minimizar a possibilidade de desenvolvimento de deficiências nutricionais.

Os principais objetivos da dieta Dukan são:

  • Perda agressiva de peso e de circunferência abdominal;
  • Ser uma dieta “fácil”, podendo ser aplicada sem um controle rigoroso de calorias ou porções.

Fases da dieta Dukan

  • Ataque: consumo apenas de proteínas de baixo teor de gorduras (é só isso mesmo, não tem nem vegetais);
  • Cruzeiro: a proteína ainda predomina, mas as frutas e os vegetais ganham espaço progressivamente assim que os resultados são atingidos;
  • Consolidação: perda de peso e equilíbrio entre proteínas e carboidratos;
  • Estabilidade: fase adotada ao atingir os objetivos desejados. Impõe um dia da semana com cardápio de proteína pura.

Dieta Atkins

Originalmente desenvolvida pelo cardiologista americano Robert Atkins, é a primeira dieta de redução de carboidratos que ganhou fama. A dieta propõe uma severa redução do consumo de carboidratos e a valorização de proteínas e gorduras.

No livro “A Dieta Revolucionária do Dr. Atkins”, o médico explica que a dieta desencadeia uma mudança no metabolismo causada pela falta de glicose (formada pelos carboidratos), obrigando o corpo a usar energia estocada (gordura corporal) como energia ao invés de carboidratos. Esse processo também é conhecido como cetose (veremos mais sobre isso na dieta cetogênica).

Os principais objetivos da dieta publicada em 1972 por Atkins são:

  • Perda e controle do peso por meio da cetose;
  • Controle da compulsão alimentar: reeducação do paciente para evitar a sensação de “ficar empanturrado”;
  • Reflexão sobre aquilo que comemos: auxiliar para que o paciente possa escolher opções mais saudáveis;
  • Controle dos níveis de glicose, colesterol e triglicérides.

Fases da dieta Atkins

Segundo a Atkins Nutritionals, a dieta é dividida em quatro fases:

  • Introdução: processo de reeducação alimentar;
  • Desenvolvimento: perda de peso;
  • Equilíbrio: avaliação do nível ideal de consumo de carboidrato;
  • Manutenção: dieta permanente.

Cada fase possui duração e meta de acordo com cada pessoa, sendo definido entre médico e paciente durante o acompanhamento da dieta.

Dieta cetogênica

Assim como a Dukan e a Atkins, a dieta cetogênica é baseada na redução de carboidratos. Seu nome vem da cetose e é uma dieta com objetivo de emagrecimento a curto prazo.

Na dieta cetogênica a redução do consumo de carboidratos causa um processo em nosso organismo que dá origem aos corpos cetônicos: moléculas que mexem com os hormônios envolvidos no apetite. Por mexer tanto com o nosso corpo a dieta deve ser acompanhada com rigor por médico ou nutricionista. O acompanhamento da dieta deve ser rigoroso.

A dieta cetogênica não possui um cardápio pré-definido e pode ser adaptada de acordo com o gosto da pessoa — contanto que respeite as recomendações nutricionais. Carnes e derivados, vegetais e gorduras são muito bem-vindas. O consumo de carboidratos é definido de acordo com sexo, idade, altura, nível de atividade física e peso do paciente.

Tipos de dieta cetogênica

O tipo mais comum da dieta cetogênica é o de baixíssimo consumo de carboidratos, equivalente a um total que varia entre 5% e 10% das calorias diárias. Para comparação, a dieta low carb pode chegar a 150g por dia, enquanto a cetogênica pode ficar entre 20g e 50g por dia.

Outras variações são mais radicais e podem controlar também a quantidade de calorias e de refeições por dia.

Dieta mediterrânea

Baseada na alimentação característica dos países banhados pelo Mar Mediterrâneo (Itália, Grécia e sul da Espanha e da França), a dieta mediterrânea propõe uma alimentação com mais alimentos frescos, pouca carne vermelha e nada de processados nem embutidos.

O cardápio é abundante em peixes, vegetais, frutas, azeites e grãos — algumas versões recomendam até um pouco de vinho para acompanhar as refeições. Exercícios físicos e uma rotina menos estressante também fazem parte do bem-estar proposto pela dieta.

Os benefícios da dieta são estudados desde 1950, relacionando a alimentação mediterrânea com a prevenção de doenças cardíacas e redução do LDL (colesterol ruim). A dieta também é recomendada para pessoas sem intenção de perder peso, mas que buscam uma alimentação mais saudável.

A quantidade de carboidratos e porções são bem flexíveis, sendo recomendados individualmente de acordo com a rotina da pessoa.

Leia também: Low carb e diabetes: conheça os benefícios da dieta

Dieta low carb

A low carb é uma dieta de restrição de carboidratos que traz benefícios como perda de peso e o controle de algumas doenças, como a diabetes, por exemplo.

O próprio nome revela: a dieta não elimina totalmente o consumo de carboidrato. A quantidade de carboidrato que deve deixar de ser consumido varia de acordo com o metabolismo de cada um e o plano alimentar escolhido. O objetivo é estimular o consumo de alimentos de baixo índice glicêmico, preferencialmente ingredientes naturais, e de melhor qualidade nutricional.

A dieta low carb possui um diferencial bem interessante: bolos, pães, doces e carnes podem ser incluídos sem culpa no cardápio. É uma dieta sem sofrimento. Pode ser adotada por vegetarianos e celíacos.

Aqui no blog Comida Boa tem um texto exclusivo para falar sobre como planejar a dieta. Confira: O que é Low Carb?

Leia também: Comecei a low carb! E agora, como monto meu cardápio?

Este artigo foi escrito com auxílio da nutricionista e criadora da Comida Boa Bia Nunes.

Atenção: os resultados divulgados no blog Comida Boa podem variar de pessoa para pessoa. É imprescindível consultar seu médico ou nutricionista antes de iniciar uma dieta. Cuide bem da sua saúde!

Foto do autor

Max Denvir

Max Denvir é comunicólogo, pós-graduando em cultura alimentar e defensor da comida saudável. Como pesquisador, estuda o impacto cultural da alimentação saudável no Brasil e seus desdobramentos. Escreve mensalmente para o blog Comida Boa.

Tags: atkins, cetogênica, dieta, dukan.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *